RockinRio Humanorama - Primaveras

Primaveras

Tem algo estranho acontecendo comigo. Começaram a me chamar de senhora, meu joelho esquerdo resolveu doer e, outro dia, o cara "bem  mais velho" na fila do supermercado era meu colega de escola. Quando meu filho coloca o celular perto do meu rosto para me mostrar alguma coisa, não enxergo bulhufas. Rótulos  e manuais de instruções ficaram  ilegíveis e bulas de remédio parecem escritas em grego. Minhas amigas falam de "reposição hormonal" e "plástica de pálpebra". E na minha cabeceira apareceu um livro da Jane Fonda. 

Mas já? Ainda tenho tanta coisa para fazer na vida. Acabei de colocar aparelho nos dentes. Outro dia mesmo eu carregava o futuro na barriga – o futuro completou 11 anos e já tem  vergonha  da  minha  risada. Não paro de fazer planos e sou capaz de mudar de opinião com um pé nas costas – não literalmente, claro. 

Uma rápida pesquisa no Wikipedia mostra que o negócio não é só comigo. A Madonna já pode estacionar na vaga de idosos do shopping. Juliette Binoche chegou aos 67, Olívia Newton John fez 69, Caetano e Gil estão perto dos 80 e  o blade  runner Harrison  Ford já  chegou  ao  futuro:  tem 76  anos.  Ninguém escapa, nem a Jovem Guarda. Até a Fernanda não é mais tão Young. 

Como  é  que  me  vem  essa  velhice  de  repente, se eu  continuo me sentindo com 20 anos? "Mas  você  ainda  é  muito  gata",  me  disse  um  amigo.  Repare quanta  informação numa única  frase:  contrariando "a  regra",  ganhei  um tempinho  de  lambuja, pois ainda está dando para disfarçar. Deve ser por isso que  passo horas olhando cremes  anti-idade – veja que palavra  estranha: parece que eles não são só contra as rugas, não; são contra o tempo, mesmo. Envelhecer  é  uma espécie de crime. A pessoa faz aniversário e já sai tentando arrumar uma identidade falsa. 

Está tudo errado, gente. A gente esquece que, ao nascer, já estamos envelhecendo. E nunca paramos de crescer. Só que na idade adulta, cresce a sabedoria. Não à toa, pesquisas indicam que a maioria das pessoas depois dos 50 se sentem menos ansiosas e mais felizes. Então vamos comemorar, pois a longevidade veio  para  ficar. Em  2050, o número de pessoas com 65 anos no mundo vai triplicar. Perderá o sentido essa disputa entre juventude e velhice – sequer sabemos onde termina uma e começa a outra.

A famosa frase "a vida começa aos 40" é  verdadeira. É quando a gente finalmente entende o que quer para, enfim, começar a viver. Foi aos 40 que virei escritora, palestrante, colunista, consultora de moda. Nunca fiz tanto na vida como nos últimos dez anos. E se hoje eu me sinto  com 20, é  porque tenho 20 anos. E também 18, 34, 45, 12. Quem é que pode ter todas essas idades sem ter chegado aqui? Em que outra época tive esse humor? A vida está mais leve e menos   dramática – dramas estão muito mais relacionados às primeiras vezes.

A velhice não é um problema a ser resolvido ou doença a ser  curada.  É o curso natural das coisas.  E não precisa ser sinônimo de solidão, doença e tristeza. Em lugar de fim, pode ser o recomeço.

O que envelhece mesmo é essa obsessão pela  juventude. Cabelos  brancos não precisam ser motivo para mais cabelos brancos. Esconder o tempo não faz viver mais. E o preconceito contra os mais velhos nada mais é que uma rejeição a nós mesmos no futuro. 

"Eu não quero me sentir jovem, quero me sentir ótima", diz uma das entrevistadas do documentário "Advanced  Style", sobre o blog  criado em 2012 pelo fotógrafo Ari Seth Cohen. Ele clica mulheres a partir dos 60 anos e as revela em seus gestos diários de colorir a alma com histórias, acessórios e humor. Mulheres  que  têm mais  rugas "de  riso  do  que  de  pranto", posso garantir.

Envelhecer é ressignificar a vida. Deixar para trás as opiniões alheias e a obrigação de provar alguma coisa para alguém. Tudo  fica mais divertido porque somos mais livres. Se o corpo não é mais flexível, as ideias podem ser. 

Demorei muito para chegar a esse momento em que sou  absolutamente eu mesma. Agora eu quero é aproveitar.


Assine a nossa Newsletter e entre nessa conversa conosco, aqui.



Avatar - Cris Guerra
Cris Guerra

Publicitária premiada e escritora, com sete livros publicados, Cris Guerra escreve na revista Vida Simples, assina uma coluna na Rádio BandNews BH, comanda o podcast 50 Crises (entre os Top Podcasts de 2020 pelo Spotify Brasil), produz conteúdo para suas redes se leva novos olhares sobre comportamento e desenvolvimento humano para todo o Brasil, por meio de palestras e eventos de diversos perfis.

Link copied!
Este site não suporta Internet Explorer. Por favor utilize outro browser da sua preferência.