RockinRio Humanorama - Transformação Covidigital

Transformação Covidigital

Desde o meu início de carreira, como professor e como publicitário, eu tenho esse velho hábito – o de criar termos que possam traduzir, de forma simples, e servindo como uma espécia de atalho mental, pensamentos longos e/ou complexos. Foi assim com DIGIRIATRIA (“seremos todos velhos digitais”), que criei em 2009… E tantos outros… 

Então, durante uma LIVE (são tantas!), eu soltei isso: “a tal da Transformação Digital sempre foi encarada de forma Racional e, portanto, ‘colava’ mais ou menos, gerava mais ou menos ação – ou nem isso. Pois a pandemia COVID-19, que chegou sem pedir licença, decretou que é vital mudar e se transformar digitalmente para se manter vivo, no jogo, ou seja, até que enfim, a tão propalada Transformação Digital passou a ser encarada de forma Emocional (com o fígado, pela necessidade de sobrevivência) e, portanto, definitivamente, passou a ocorrer. Ela pode ser chamada de ‘Transformação Covidigital’ !” (Está criada.) 

Somos muito rápidos – nós, brasileiros. Muitos não viveram o que vou contar, mas quem viveu, também pode até não se lembrar mais: quando o então presidente Collor, em 1990, decidiu pôr fim à abominável “Reserva de Mercado da Informática”, abria-se a possibilidade de computadores serem comprados por pessoas e empresas pequenas e médias. Sim, até então, por aqui, somente grandes empresas e órgãos governamentais tinham acesso ao que o mundo desenvolvido já utilizava para trabalhar. Além disso, lá no Hemisfério Norte, muitos já possuíam o seu computador pessoal, em casa. Nós, até então, não… 

Mas, por que estou contando isso...? É que, à época, em relação ao atraso de Informática que tínhamos, se comparados ao que os Estados Unidos já apresentavam, muitos especialistas daqui profetizavam: “o Brasil, nem em 30 anos conseguirá reduzir a defasagem no campo da Informática”. Pois bem, em 3 ou 4 anos (mesmo que tudo fosse ainda muito caro, na época), já tínhamos queimado etapas e já estávamos acompanhando o ritmo do mundo na área. Sim, somos muito rápidos. 

Atabalhoadamente, apressadamente, apavoradamente, improvisadamente, não importa: o bimestre março e abril de 2020 servirá como marco da “Transformação Covidigital” no Brasil. Com a súbita e inesperada chacoalhada que esta pandemia do Covid acabou nos dando, Pessoas Físicas e Jurídicas, no Brasil todo, se jogaram a tentar, experimentar, buscar ajuda, investir, mudar, aprender, disseminar, enfim, à Transformação Digital – ou “Covidigital”, como eu passei a defini-la, pois, se não fosse o susto que este vírus nos deu, não haveria essa movimentação toda. Ou seja, mais uma vez, estamos reagindo rapidamente. 

Se “a dor ensina a gemer”, como dizia o velho provérbio, a dor da defasagem digital ficou exposta na pandemia e o que se viu - e se vê - é uma nova realidade, onde foram agendados (adoro usar este termo, “agendar”, pois ele me acompanha desde meu Mestrado e meu Doutorado, que foi sobre “Agenda-Setting”), repito, foram agendados os termos, assuntos, ferramentas como Zoom, Google Meet, Webex, Streamyard, Microsoft Teams, link dedicado, home-office, “mando o tutorial em video por WhatsApp, mãe”- entre tantos outros. 

Nossa vida pós-Covid-19 traz consigo um legado positivo, em meio a tanta tristeza por baixas e desmoronamento de negócios: demos, de uma vez por todas, aquela guinada há tempos demandada, que é a Transformação Digital, ou melhor, “Covidigital”. Sim, somos rápidos. 


Assine a nossa Newsletter e entre nessa conversa conosco, aqui.



Avatar - Dado Schneider
Dado Schneider

O Prof. Dado Schneider é pós-Graduado em Marketing pela Univ.Fed. do RS e é Mestre e Doutor em Comunicação pela PUC/RS. No auge da propaganda no Brasil, trabalhou em grandes agências, como DM9, Ogilvy, MPM, entre outras. Além de ter sido consultor de grandes empresas, foi executivo da CLARO e é o próprio criador desta marca. Foi "Evangelizador Digital" do Magazine Luiza na sua grande "Virada Digital", em 2015. Nos últimos anos, palestra sobre as suas pesquisas sobre comportamento das novas gerações e foi considerado pelo site Buzzfeed como "palestrante imperdível da Campus Party", de onde também é Embaixador. É autor de “O Mundo Mudou... Bem na Minha Vez !”, um livro feito todo em Tweets.

Link copied!
Este site não suporta Internet Explorer. Por favor utilize outro browser da sua preferência.