RockinRio Humanorama - Uma Decisão Com Tantos Sentidos

Uma Decisão Com Tantos Sentidos

Como publicitária e mais especificamente como planejadora de comunicação, sempre fui apaixonada pela semântica, a parte da linguística que estuda o significado das palavras, frases e textos de uma língua. E no caso do português a paixão é sempre um exercício inspirador de repertório e associações. Essa introdução é apenas para contextualizar a reflexão que me ocupou na última semana, a primeira dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Explico. 

Com poucos dias do início das Olimpíadas e tendo consumido centenas de conteúdos sobre os atletas e modalidades com mais possibilidades de medalhas, o mundo se deparou com uma digressão: o anúncio da ginasta norte-americana Simone Biles, um dos maiores fenômenos da história da ginástica artística, sobre não participar de suas provas. Inicialmente, as finais por times e logo depois, o individual geral.  

O fato, como era de se esperar, ocupou o noticiário, as redes e desencadeou uma polaridade de opiniões divididas entre os que denunciam a pressão sobre a saúde mental dos atletas, silenciosamente tolerada pela busca de recordes, e os que apontam o vitimismo da nossa geração, cujo mérito maior é querer colocar seu sofrimento como conquista. É difícil não emitir julgamento e eu mesma me vi nessa condição, com vontade de opinar, até ser envolvida pela curiosidade da semântica. 

Quase todas as matérias jornalísticas, artigos de especialistas ou comentários de amadores, trouxeram o termo 'desistência' em seus títulos, tweets ou legendas. E desistência, sob o ponto de vista do significado da palavra, descreve bem o ato da ginasta: a renúncia voluntária ou a não continuidade a algo. Pensando na medalha de ouro praticamente garantida, na ausência de uma lesão física limitante e na sequência de provas, ponto para a semântica, certo? Mas eis que me ocorreu o interesse pelas associações que nosso idioma promove e me embalei no exercício do campo semântico. Quantos sentidos contém a palavra desistência e o que nos conta esse conjunto tão diverso de traduções, dependendo do contexto ou do ponto de vista? 

Olhando para Simone na arquibancada do ginásio onde se realizaram as baterias classificatórias e depois as finais em todos os aparelhos onde ela era a franca favorita, para mim foi difícil enxergar o sentido do fracasso que frequentemente associamos à renúncia, especialmente numa competição. Além disso, sua figura presente, quieta ou aplaudindo a apresentação de outras atletas, não se conectava com o esquecimento sobre quem abdica de um desafio. Ao contrário, lembrou-me uma outra palavra, que se não é o antônimo perfeito da desistência, provoca um sentido diametralmente oposto: a resistência.  

Simone Biles não desapareceu na desistência de seu ato nos Jogos de Tóquio 2021, emblemático evento de uma Pandemia ainda em curso. Permaneceu potente, como um tema tão mobilizador quanto a medalha de ouro. E será inesquecível porque sua resistência é anterior a qualquer ação física. No seu íntimo, ela não se dobrou aos julgamentos sobre razão, honra ou destino.  

Hoje, véspera da última prova da ginástica, a final da trave, leio sobre a participação confirmada de Simone. E só consigo pensar que na vida como na língua, a semântica sempre pode resultar num plot twist, aproximando sentidos tão dissonantes quanto desistir e resistir, né? 


Assine a nossa Newsletter e entre nessa conversa conosco, aqui.



Avatar - Paula Lagrotta
Paula Lagrotta

Publicitária por formação, graduada em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ e planejadora estratégica com mais de 25 anos em agências de comunicação. Liderou times de planejamento na Fischer, Y&R, Quê Comunicação e entre 2010 e 2016 foi a Head de Planejamento da NBS, onde trabalhou pra marcas como Oi, O Boticário, Coca Cola, Bob’s, BomNegócio.com, Petrobras e BR. Foi indicada três vezes como Profissional de Planejamento do Ano, pela ABP - Associação brasileira da Propaganda. Apaixonada por inovação e processos criativos, dedicou-se ao estudo de métodos e aplicações de Design Thinking e Design de Serviços, no Brasil e no exterior. Em 2016 tornou-se sócia da Casa7 Pesquisa onde implementou a Casa del Otro, área de consultoria em Projetos de Inovação e Processos Criativos, onde desenvolveu projetos para marcas como OI, Oi Futuro, Raízen (Shell), Diageo (Smirnoff, Ypioca, Old Parr), L’ORÉAL, GPA (Pão de Açúcar / Extra), Grupo Soma (FARM, Animale, ABrand), Bodytech, Essilor, B2W (Americanas, Submarino). Desde dezembro de 2019 é Diretora de Planejamento na Artplan, no Rio de Janeiro, e também atua como consultora em projetos de solução e diagnóstico de negócio, construção de proposta de valor e sprints de design estratégico. Paula é argentina, apaixonada pelo mar e co-fundadora da marca de jaquetas KITECOAT (jaquetas produzidas com upcycling de pipas de kitesurf).

Link copied!
Este site não suporta Internet Explorer. Por favor utilize outro browser da sua preferência.